Infraestrutura Ágil

Soluções e métodos inteligentes para sua infra

Mcollective Shell Agent

| Comments

1. Sobre o Marionette Collective

O Mcollective é um framework que te permite trabalhar com orquestração de servidores ou execução paralela de tarefas em seus nodes.

Em essência, orquestração significa invocar ações em paralelo em todo o seu parque de servidores de uma forma direta, eficiente e além disto em tempo real.

2. Agente Shell

No post anterior, apresentei alguns agentes do Mcollective que executam ações pontuais, no entanto, não é possível através destes agentes rodar comandos arbitários em nossos nodes.

O próprio criador do Mcollective (R.I.Pienaar) não recomenda que sejam escritos plugins para execução de comandos arbitrários, e ele tem razão, é perigoso e você não conseguirá prever a saída do comando no outro lado.

Porém, eventualmente precisamos fazer isto, e neste caso existem alguns plugins disponíveis no GITHUB, aqui neste post vou mostrar como instalar um plugin que contém um agente para execução de comandos em ambiente shell.

2.1 Instalando o agente

Partindo do pressuposto de que você já tem o Mcollective rodando, vamos apenas instalar o agente shell e ver como ele funciona. Aqui neste post vou usar o agente escrito por Jeremy Caroll.

Faça download do arquivo shell.rb

wget https://raw.github.com/phobos182/mcollective-plugins/master/agent/shell/shell.rb

Faça download do arquivo shell.ddl

wget https://raw.github.com/phobos182/mcollective-plugins/master/agent/shell/shell.ddl

Mova os arquivos para o diretório agent do mcollective

mv shell.rb shell.ddl /usr/share/mcollective/plugins/mcollective/agent

Agora faça download do arquivo de aplicação shell.rb (é outro arquivo)

wget https://raw.github.com/phobos182/mcollective-plugins/master/agent/shell/application/shell.rb

Mova o arquivo para o diretório application do mcollective

mv shell.rb /usr/share/mcollective/plugins/mcollective/application

Agora reinicie o agente.

/etc/init.d/mcollective restart

Instale os arquivos em todos os nodes que deseja utilizar o agente shell.

2.2 Utilizando o agente

A utilização é bastante simples, observe a sintaxe:

mco shell <comando>

Vamos a um exemplo

mco shell uptime

Acompanhe a saída

1
2
3
4
5
6
7
Do you really want to send this command unfiltered? (y/n): y
Discovering hosts using the mc method for 2 second(s) .... 2

 * [ ============================================================> ] 2 / 2

[puppet.hacklab] exit=0:
[debian.hacklab] exit=0:

Veja que o comando foi executado em dois nodes, mas repare que apenas fomos informados disto, caso deseje ver a saída, será necessário adicionar um parâmetro.

mco shell uptime --verbose

Acompanhe a saída

1
2
3
4
5
6
7
Do you really want to send this command unfiltered? (y/n): y
Discovering hosts using the mc method for 2 second(s) .... 2

 * [ ============================================================> ] 2 / 2

[puppet.hacklab] exit=0:  13:56:48 up 28 min,  2 users,  load average: 0.00, 0.00, 0.00
[debian.hacklab] exit=0:  13:56:44 up 28 min,  2 users,  load average: 0.00, 0.00, 0.00

2.3 Exemplos de uso do agente

2.3.1 Lendo arquivo /etc/issue

Vamos usar o cat para ler o conteúdo do arquivo issue

mco shell "cat /etc/issue" --verbose

Acompanhe a saída

1
2
3
4
5
6
7
8
Do you really want to send this command unfiltered? (y/n): y
Discovering hosts using the mc method for 2 second(s) .... 2

 * [ ============================================================> ] 2 / 2

[debian.hacklab] exit=0: Debian GNU/Linux 6.0 \n \l

[puppet.hacklab] exit=0: Debian GNU/Linux 6.0 \n \l

2.3.2 Rodando comando df

Vamos rodar o comando df -h para ver dados de uso das partições e disco.

mco shell "df -h" --verbose

Acompanhe a saída

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
Do you really want to send this command unfiltered? (y/n): y
Discovering hosts using the mc method for 2 second(s) .... 2

 * [ ============================================================> ] 2 / 2

[puppet.hacklab] exit=0: Filesystem            Size  Used Avail Use% Mounted on
/dev/sda1             3.8G  2.1G  1.6G  57% /
tmpfs                 188M     0  188M   0% /lib/init/rw
udev                  184M  124K  184M   1% /dev
tmpfs                 188M     0  188M   0% /dev/shm

[debian.hacklab] exit=0: Filesystem            Size  Used Avail Use% Mounted on
/dev/sda1             3.8G 1002M  2.6G  28% /
tmpfs                 125M     0  125M   0% /lib/init/rw
udev                  121M  124K  120M   1% /dev
tmpfs                 125M     0  125M   0% /dev/shm

3. Amarrando as pontas

O criador do Mcollective (R.I.Pienaar) recomenda que você escreva seus agentes usando simpleRPC, agentes que executem tarefas pontais, agentes no quais você tem controle, agentes nos quais você pode confiar, agentes nos quais você conhece o risco de utilizar em sua infra, e tenho que dizer que eu concordo com isto, portanto, use esse agente ssh por sua conta e risco ;)

Eu assumo o risco pois o que preciso fazer com ele é bem simples, mas cada caso é um caso.

3.1 Exemplificando os riscos

Só para você ter uma ideia de tragédias possíveis, imagine o risco potencial de alguém rodar - sem querer - algo como abaixo:

mco shell "rm -rf /"

Isto simplesmente apagaria todo o seu parque, é muito poder para pouca segurança. Espero que este exemplo tenha sido suficientemente claro :)

3.1 Facilitando a instalação

Eu escrevi dois módulos para Puppet que facilitam a instalação do Mcollective e dos agentes, segue abaixo os links.

https://github.com/gutocarvalho/puppet-mcollective-debian

https://github.com/gutocarvalho/puppet-rabbitmq-debian

O agente SSH já está incluso no módulo.

4. Referências

  • http://www.devco.net
  • https://github.com/phobos182/mcollective-plugins
  • https://github.com/puppetlabs/mcollective-plugins
  • https://puppetlabs.com/mcollective/introduction

[s]
Guto

Comments